Por vezes, eu procuro o impossível como se fosse possível e a minha alma fica incompreensível.

autor
António Almeida
Enviar um comentário