O amor é, um olhar brilhante e cego; É, um ouvir surdo e forte; É, uma boca muda e carente; É, um estado de mente, se mal se quer a si por bem se querer, a alguém pertencer. O amor não olha quem não sente, não ouve quem não pretende, não fala, porque quem fala não sente. O amor é puro, no silêncio de toda a gente. 

autor 
António Almeida
Enviar um comentário