A cada dia que eu vivo, mais gosto tenho eu de viver. E de desperdício excessivo, evito eu, em mim, esse mal conter. Porque vida há só uma por definitivo, se não, não existia a palavra morrer.


autor
António Almeida
Enviar um comentário