Deixei à tua janela, umas gotas de orvalho, sim. Das tristes manhãs que nascem, por não te ter aqui, ao pé de mim. 

 autor 
António Almeida
Enviar um comentário