Quando eu morrer, não quero flores, não quero choros, não quero risos, não quero dor; quero amor: Os meus braços para quem mais precisar, as minhas pernas para quem mais coxear, os meus órgãos todos doar, menos o meu coração; esse, será sempre, para quem mais me amar.


autor
António Almeida
Enviar um comentário