Ás vezes eu tenho vontade de gritar, bem alto ao mundo, intensamente. Só para poder dizer como é que aguentam e compartilham com essas coisas barbaras das religiões, que me devoram permanentemente. Porque parecem fazer só o bem, mas o problema é o cancro que nas mentes deixam, ira e cólera. Emanando, por igual, como os loucos, com pessoas imaginárias; representando, uma normalidade de vida, com mais relevo e verdade, que as pessoas reais, de uma forma tão absurda... matando... fazendo atentados... Quando o maior ato de cobardia, condenação, não é quando o homem rejeita uma religião ou renega um Deus; mas sim, quando o próprio homem condena o seu semelhante, em nome dele, crente, num dito todo poderoso, e ao mesmo tempo o humilha, como se ele não soubesse julgar e condenar se existisse. Um dos meios de informação, ou mais precisamente do ajustamento dos comportamentos, é evidentemente o ensino. Por isso aceito o ser vivo individualmente como ele é, pois sei que não pode ir mais além da matéria que adquiriu. Porque ele não está errado, errado está o sistema educacional mundial.

António Almeida
Enviar um comentário