Negros pântanos, em que te afundas, são apenas quimeras, das crenças, em que te torturas. O mundo, não te dá, nem te vende, lacunas, muito menos, cruéis ideias, desfortunas, tudo está bem, à luz das visões puras; se aceitas as vozes das infortunas, só tens o que tu procuras.

autor
António Almeida
Enviar um comentário