Amarram-nos. Embriagam-nos, com multas e impostos. Deitam-nos sobre as leis a celebrar-nos, dando-nos um Deus que ama-nos, e esperam por os nossos votos.

autor
António Almeida
Enviar um comentário