Nunca esqueça, que mesmo o olhar mais triste do mundo, nunca parou de brilhar.

 autor 
António Almeida
Enviar um comentário