Se te embriagas, da solidão que bebes ... é porque te queres esqueceres.

autor
António Almeida
Enviar um comentário