Se deixar de me aspirar, não deixarei de crescer na discreta, mas se deixar de amar, deixo de ser poeta.

autor
António Almeida
Enviar um comentário