Às vezes vejo olhos lôbregos. Será que de tanta luz ficam cegos?

autor
António Almeida