Onde administra o amor, não há poder. Onde administra o poder, não há amor.


autor
António Almeida