Deixo falarem palavras harmoniosos aos meus ouvidos, mas não as deixo entrar. Deixo olhares a olharem para os meus olhos, mas não os deixo cegarem-me. Tudo aceito, mas nem em tudo creio.

autor
António Almeida
Enviar um comentário