O que tu mais querias do amor, o amor, nem um só dia, te deu. Porque te presumiste ser, obra de escultor, entregando-te, a um colecionador, que te colocou, num museu.


autor
António Almeida
Enviar um comentário