Eu poesia? Não, mas quanto eu gostaria... de ser. Quem sabe se talvez um dia, eu rimarei com a vida em sintonia, com tanta emoção a crescer.

autor
António Almeida
Enviar um comentário