Perdoo as forças brutas das tempestades irracionais, mesmo que me arrasem com a minha casa cerebral. Pois sei que não podem ir mais além da matéria que adquiriram, afim de imaginarem o mal que fazem em ter que me fazer arrumar de novo os meus pensamentos; para seguir intelectualmente a minha vida feliz.


autor
António Almeida