Quando olho e vejo no mundo: Tanto sofrimento, ódio, arrogância, inveja, vingança, fanatismo, faço dele o meu espelho estático e o meu rosto em silêncio aprecio; Sinto vontade de gritar e digo: Porque me pões tanta tristeza no meu olhar? 

autor 
António Almeida