Somos reduzidos a pó cedo demais, e nem sequer deixamos sinais.

autor
António Almeida
Enviar um comentário