Quem vive só, o amor lhe bate há porta, e não lhe dá abrigo; corre o risco de viver amargurado.


autor
António Almeida
Enviar um comentário